sábado, 9 de agosto de 2008

MUNDO DE POUQUÍSSIMOS BRASILEIROS – O OUTRO LADO DA MOEDA - PARTE II


Na faixa de preços entre R$ 80 mil e R$ 90 mil ainda á muitos outros modelos raros nas ruas, como a superesportiva Ducati 1098 R e a MV Agusta Brutale R, vendidas a R$ 88.900 e R$ 85.400, respectivamente.

Existem ainda motos exclusivas de marcas mais populares, como as japonesas Honda, Yamaha e Suzuki. A touring GL 1800 Gold Wing, por exemplo, é a mais cara da Honda no país -- R$ 79.280 --, vem cheia de equipamentos e com um motorzão de 1.832 cm³, com 118 cv a 5.500 rpm e 17 kgfm a 4 mil rpm.
Mais que requinte, design, potência e velocidade, modelos como as superesportivas Suzuki GSX 1300 B-King e Yamaha YZX-R1 atuam mesmo é como símbolos de status e desejo. Como vendem pouco, até pelos preços de R$ 69.615 e R$ 59.384, na ordem, essas motos se justificam por emprestarem imagem de sofisticação às marcas.
E ajudam a vender milhares de motos de 125 e 150 cilindradas.


Gold Wing


A famosa Suzuki GSX 1300 Hayabusa -

Para motociclistas de fino trato o que mais conta em uma moto é o desempenho, medido a partir da velocidade final, da relação peso/potência e da performance em curvas, mas também contam a relação custo/benefício e o design da máquina. No segmento de motos top de linha, as marcas indiscutivelmente fazem a diferença. Os escudos e assinaturas estampados nas carenagens são capazes de tornar um modelo super exclusivo. Mas os preços elevados dessas motos também se sustentam nos equipamentos embarcados e na sofisticação da engenharia. Em geral, essas motocicletas têm chassis em alumínio, suspensões dianteiras e traseiras ajustáveis em altura, além de recursos eletrônicos de auxílio de direção, que enrijecem o guidão em alta velocidade para aumentar a precisão dos movimentos.
Em termos de tecnologias, as motocicletas tops basicamente se equivalem, cada uma dentro do seu nicho. Não é como os automóveis, que têm muitos ítens opcionais que muitas acrescem no preço e não compõem o modelo colocado à venda. Mas claro que a quantidade de equipamentos de série também conta a favor. A maioria das motos "tops" tem sistemas de freio com discos enormes, ABS e até controle eletrônico de estabilidade.


Modelos como a touring Honda GL 1800 Gold Wing, de R$ 79.280, trazem airbag frontal para o condutor. Entre recursos mais comuns nos modelos "tops" estão: manete com aquecimento, bagageiros laterais com bolsas internas, navegadores GPS, computador de bordo, controle de cruzeiro, faróis com ajuste da altura do facho de luz, sistema de som premium com comandos no punho, pneus runflat e capacetes com tecnologia bluetooth para telefonia, sistema de áudio e comunicador entre piloto e carona.
Esses modelos impressionam muito principalmente, pela alta tecnologia e segurança. Mas ítens como: alta potência e torque do motor também são imprescindíveis.
As taxas de conversão de moedas deste artigo não representam o câmbio do dia. É um dado projetado, pois podem variar, em função de taxas e despesas aduaneiras do dia do fechamento do câmbio. Essa matéria faz parte do trabalho de pesquisa que a produção do documentário "Os Motociclistas-Made in Brasil", na busca de dados e informações sobre o perfil do motociclista brasileiro

MUNDO DE POUQUÍSSIMOS BRASILEIROS – O OUTRO LADO DA MOEDA -

Quando se pensa em comprar moto, logo se imagina que a moto é mais barata do que um automóvel sedã. Um grave engano!
Para aqueles que optarem por uma dessas marcas: MV Agusta, Harley-Davidson, Ducati, uma BMW ou então uma Triumph, para terem o sabor da liberdade sobre duas rodas. Este prazer pode ser muito caro, mas muito caro, pois alguns modelos considerados top de linha, a média de preços parte dos R4 50 mil e em alguns casos vão além dos R$ 100 mil, chegando bem próximo dos R$ 200 mil. Estamos falando num mercado que representa 2% do público consumidor dessas maravilhosas máquinas “dos sonhos”.
A moto mais cara à venda no Brasil, por exemplo, é a "top" de linha da Ducati, a super esportiva Desmosedici – foto-.
Importada por elevados US$ $ 112 mil, ou aproximadamente R$ 179.200, tem seu preço teoricamente justificado pelo desempenho equivalente ao das motos de competição da Moto GP.
Seu motor de 989 cm3 e quatro cilindros em "V" produz 200 cv a 13.800 rpm e robustos 11,8 kgfm de torque, que deixam a moto de 171 kg com uma incrível relação peso/potência de 0,85 kg/cv.


Em seguida, temos a MV Agusta F4 1000 Senna, - a da foto agora é a Senna -com a assinatura do campeão - superesportiva italiana considerada uma verdadeira obra de arte sobre duas rodas, que custa nada menos que R$ 139.400. São motocicletas sofisticadas, que aliam o design elegante à tecnologia de ponta.

A custom Harley-Davidson Electra Ultra Glide é outro exemplo de moto dos sonhos. Sai a R$ 124.900, fora o frete, que custa em torno de R$ 2 mil.

A inglesa Triumph é outra das representantes legítimas da elite das motocicletas no Brasil. Sem a potência e o apelo esportivo da Ducati, a custom Triumph Rocket III 2300 custa R$ 98.900 e é considerada uma das motos mais exclusivas do mundo, por ser a preferida entre atores de Hollywood e astros da música.

Neste refinado e exclusivo segmento, que responde por cerca de 2% das vendas internas no país, segundo fontes especializadas, a justificativa para valores tão altos está basicamente na potência e na exclusividade. Muitas dessas motocicletas "tops" cumprem papel semelhante ao de automóveis superesportivos. Oferecem desempenho similar ao das motos de corrida, assim como Porsche, Ferrari e Lamborghini levam às ruas uma performance equivalente a dos bólidos Da Fórmula 1. O volume de vendas do segmento premium é evidentemente menor. Por isso, nosso foco está na motos de altas cilindradas e no valor agregado.


Com preço ainda na faixa dos R$ 100 mil, a big trail BMW R 1200 GS é um bom exemplo de como a força de uma marca pode determinar o sucesso de um produto. Vendida a R$ 99.900, na versão "top" HP2, a moto tem visual arrojado, acabamento de primeira, fartura em recursos de segurança e conforto, além do motor da montadora de luxo alemã, prestigiado também entre os automóveis.



Outra moto de destaque na linha é a big touring K 1200 GT, de R$ 88.900, mesmo preço da naked Harley-Davidson Night Rod Special, outro modelo que se ampara na imagem glamourosa da marca para atrair consumidores.

Leiam a parte II desta matéria....

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

INDIAN RETORNA COM QUATRO VERSÕES


INDIAN, volta a ser produzida com quatro versões de estilo tradicional, motocicleta, considerada ícone da industria americana.
Famosa pelos seus modelos produzidos até os anos 60, a INDIAN, agora retorna com seus modelos clássicos: a Chief, uma grande estradeira com motor de 2 cilindros em "V" e 1720 cc, com refrigeração a ar; a versão Standard - preta ( foto), a De Luxe ( vermelha) a Road Master e a Vintage.
A mecânica inclui transmissão final por meio de correia, câmbio de 6 marchas, suspensão monomola e rodas de 16" com pneus de 130x90 na frente e 150x90 atrás. O peso do modelo Standard é de 335 kg.


HARLEY FINALIZA COMPRA DO GRUPO MV AGUSTA


A empresa norte-america Harley-Davidson acaba de finalizar a compra do Grupo MV Agusta. Com um montante de US$ 109 milhões — que incluía uma dívida pendente de US$ 67 milhões da fábrica italiana — a Harley adquiriu, além da MV Agusta, a marca Cagiva.
A quantia que faltava — cerca de US$ 105 milhões — foi depositada nesta sexta-feira (8). Desse modo, o Grupo MV Agusta passa das mãos de Cláudio Castiglioni para a montadora norte-americana.

A XT 660 Z CHEGA AO MERCADO ATÉ O FINAL DO ANO


A XT 660 da Yamaha, esta de volta. A empresa recuperou o lendário nome para dar vida a um novo modelo a XT 660Z inspirado nos famosos desertos africanos. No idioma dos Tuareg, a palavra “ténéré” significa deserto.
Em ‘83, a marca levou a imprensa ao Marrocos para experimentar a primeira Ténéré, uma moto nascida para a aventura e que participaria de numerosos ralis, corridas e de todo tipo de aventuras nas estradas.
Com a XT 660Z a marca recupera o nicho de mercado que havia perdido desde que parou de fabricar a moto, ainda nos anos 1990.
O mais importante é que a lendária filha do deserto volta ao mercado este ano.
O lançamento do modelo completa a gama da Yamaha para o setor “on-off”– ou trail, se preferir. No mercado mundial, as XT e as DT (estas últimas ainda são comercializadas na Europa) oferecem diferentes opções, mas não existia uma moto com características estradeiras de destaque e é justamente aí que a nova Ténéré entra no jogo. Com ela, o turismo em qualquer tipo de terreno está assegurado.
A equipe de engenharia, que desenvolveu a máquina, trabalhou no motor, no peso, na funcionalidade e, principalmente, na confiabilidade de todo o conjunto da motocicleta visando atingir o nível mais alto possível no turismo de aventura. Outro ponto bem pensado e que chama a atenção é sua estética distinta. Mas, diferente de outros modelos, no caso desta Yamaha, a modernidade não conflita com o aspecto prático, muito pelo contrário. O tanque de combustível foi desenhado para possuir uma grande capacidade (22 litros), contudo este se estende por debaixo do assento e para frente. Dessa forma, fica estreito e facilita a pilotagem em pé em terrenos irregulares.

Também colabora para uma melhor distribuição das massas. Junto ao tanque, encontramos umas curiosas tampas laterais que cumprem o papel de protetores de carenagem, muito eficientes para terrenos complicados. Vista de frente, a moto também é inusitada e, mais uma vez, combina-se design com eficácia, dado que sobre o curioso farol se eleva uma bolha que proporciona boa proteção aerodinâmica.
Outro detalhe inovador é que no próprio sub-chassi está integrado um suporte para o top case, simplificando assim a sua instalação.
A XT 660 Z será lançada aqui como um produto “Made in Manaus”, o que deve ocorrer até o final deste ano.
Ficha técnica
Motor: monocilíndrico, 4T, SOHC, refrigerado a água, alimentado por injeção eletrônica, partida elétrica, embreagem multi-disco em óleo, câmbio : de 5 marchas e transmissão por corrente
Cilindrada / potência máxima: 660 cm³ / 48 cv a 6 100 rpm
Diâmetro x curso: 100 x 84 mm
Taxa de compressão: 10,0:1
Quadro: Estrutura tubular de aço
Cáster / trail: 28º / 113 mm
Suspensão dianteira / traseira: Telescópica / mono-amortecedor progressivo com link
Curso dianteiro / traseiro: 210 mm / 200 mm
Regulagens: Na pré-carga da mola
Freio dianteiro / traseiro: 1 disco de 298 mm / 1 disco de 245 mm
Pinça dianteira / traseira: 2 pistões / 1 pistão
Comprimento: 2 246 mm
Entre eixos: 1 505 mm
Altura do banco: 895 mm
Tanque: 22 litros
Peso: 183 kg
Preço: 7 000 euros em torno de R$ 17.000,00

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

MOTOCICLISTAS ENGAJADOS NAS QUESTÕES SOCIAIS


Motociclistas,Tri- ciclistas, Moto Clubes e amantes de motos a participem deste evento. É uma Campanha de Solidariedade, que tem por finalidade envolver o maior número possível de motos e triciclos para arrecadarmos agasalhos, alimentos, leite em pó, materiais de higiene pessoal, material de limpeza, fraldas geriátricas, luvas descartáveis, cobertores, roupas de cama e tudo mais. Toda a arrecadação será doada ao Hospital da Croácia em Sepetiba,onde são atendidos cerca de 70 idosos entre cadeirantes e não cadeirantes.
O evento será realizado no 16 de agosto, na Banca do Blues
Avenida Rio Branco esquina com Presidente Wilson - Centro do Rio de Janeiro -.
O show beneficente esta previsto para iniciar às 19:00hs, com as bandas:
Jam Session;
Lado 2; e
Os Credenciados
Maiores informações.
Vamos colaborar, vamos mostrar que o motociclista é uma pessoal engajada nas questões sociais.
Informações:
Luíz ou Anna : Pássaros do Trovão (21) - 91832632/3297009
André: Cachorro Solitário – (21) - 81112481
Beth Bacellar MAV (21) -30114652/94883271
Fazer o bem engrandece nossa alma! Participem!

terça-feira, 5 de agosto de 2008

NEGRETTI SAI DA UTI E PASSA BEM


O piloto de motocross, Jorge Negretti treinando para o Campeonato Brasileiro de Motocross, Negretti sofreu uma queda, fraturou as costelas e teve traumas pulmonares. Negretti foi encaminhado com urgência para a UTI do Hospital Universitário local, onde ficou sob cuidados intensivos até essa segunda-feira, 4 de agosto. Jorge Negretti continua internado, recuperando-se dos traumas, mas fora de perigo, devendo brevemente receber alta hospitalar.

Em relação à competição, Negretti ficará fora da última etapa do Campeonato Brasileiro de Motocross, categoria MX3, que irá acontecer em Rio das Ostras (RJ) nos dias 30 e 31 de agosto. É importante ressaltar que apesar do grave acidente, o piloto estará brevemente retornando as competições. “O acidente faz parte deste esporte radical, mas não será barreira para eu continuar fazendo aquilo que gosto, que é o motocross. Agradeço primeiramente a Deus e a todos meus familiares, fãs e amigos que estão torcendo pela minha reabilitação”, disse o piloto, que representa o Brasil na categoria motocross e faz apresentações de Freestyle - foto-.segundo informação da assessoria de imprensa da CBM.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

A FUTURISTA YAMAHA LUXAIR


Esta foi a grande vedete da Yamaha, no Japão. A Luxair, uma motocicleta híbrida – motor a gasolina e elétrico-. Projeto futurista, lançado pela montadora no Salão de Tókio. Ela mais se assemelha a uma moto scooter, com desenho e formas arrojadas. O modelo demonstra ser muito confortável, e ainda traz uma novidade um sistema especial de áudio. Podíamos até chamá-la talvez de ”motonave”.

FREESTYLE ESTA CONQUISTANDO O PÚBLICO


A passagem do X Games por São Paulo, na primeira edição do evento em cidade brasileira, deixou muita gente maravilhada - 40 mil pessoas passaram pelo sambódramo – em abril, nos três dias de provas para ver um show dos esportistas.
E 2008 foi o primeiro ano que a Confederação Brasileira de Motociclismo organizou um campeonato de Freestyle, que ganha um número cada vez maior de adeptos no Brasil e no mundo. A modalidade é uma das mais radicais e exige muita coragem dos competidores. Este ano o Campeonato Brasileiro de Freestyle será disputado em seis etapas, nos mais variados estados do Brasil. No dias 23 e 24 de agosto, acontecem a 2ª. Etapa do brasileiro de FMX pela CBER (Confederação Brasileira de Esportes Radicais), a etapa será realizada na Vila Olímpica Mário Covas, no km 19,5 da Rod. Raposo Tavares, em São Paulo. Esta pista tem uma particularidade toda especial, foi idealizada pelos próprios pilotos da modalidade e composta de 4 recepções de terra e 6 rampas de lançamento, com grau técnico, variedade de traçado e segurança.

SUPERMOTO - REUNE CROSS E VELOCIDADE


A categoria Supermoto é uma categoria que mistura noções do motocross e da motovelocidade. Isso por que a pista desta categoria possui trechos de terra e de asfalto. Alguns desses trechos possuem saltos, curvas. O percurso deve ter no mínimo, 20%; e no máximo 30% de terra.
A formação do grid acontece em um treino classificatório de 20 minutos, o piloto que fizer a volta mais rápida larga na pole - position. O grid é formado de 2x2x2. A prova tem 20 voltas mais 2 minutos.

105 ANOS E O PRIMEIRO TRICICLO COM A MARCA HARLEY DAVIDSON


A linha 2009 da Harley-Davidson apresenta uma grande novidade: a Tri Glide Ultra, o primeiro triciclo da história da marca. Alias, a HD colocou em produção o que os -customizadores- norte-americanos já faziam há algum tempo. A informação sobre o lançamento do veículo foi antecipada por Willie G. Davidson, neto do fundador da Harley-Davidson.. Seu grande apelo de vendas será o conforto e a segurança para quem quer praticar o mototurismo. Já que esse "trike" tem como base a Ultra Electra Glide Classic.
MOTOR E ESTILO - O Tri Glide está equipado com um novo motor de dois cilindros em V - Twin Cam 103 -, que esbanja torque (força) e é alimentado por injeção eletrônica de combustível. Já o sistema de transmissão conta com câmbio de seis velocidades, com Cruise Drive, ou seja, sexta marcha over-drive, na qual o motor trabalha com giro mais baixo, oferecendo maior conforto e economia de combustível.
Com relação ao visual dessa -carruagem- sobre três rodas, o departamento de estilo da Harley-Davidson incluiu componentes funcionais e estéticos à Tri Glide, sem que o modelo perdesse as linhas clássicas da atual Ultra Classic. Assim, o trike ganhou um porta-malas com capacidade para 80 litros. O Tri Glide mantém a iluminação com LEDs utilizada também no tourpak da Ultra Classic.
Em função de a traseira ser formada por partes separadas do resto da carroçaria, as peças podem ser removidas individualmente para reparo, manutenção ou substituição. O triciclo da HD marca que este ano completa 105 anos de história, conta ainda com um potente sistema de som da marca Harman / Kardon, além de plug para o uso de intercomunicadores. Nos Estados Unidos, o Tri Glide Ultra Classic é oferecido em três opções de cores: Vivid Black, Dark Blue Pearl, e Red Hot Sunglo.

ACIDENTE MATA PILOTO INGLÊS


O jovem piloto britânico Craig Jones (Honda) faleceu nesta segunda-feira (4) no Royal London Hospital. Jones, de 23 anos, disputava o Campeonato Mundial de Supersport com uma CBR 600 e durante a prova deste domingo (3) em Brands Hatch, na Inglaterra, sofreu uma queda e foi atropelado involuntariamente pelo australiano Andrew Pitt (Honda).
Depois do ocorrido, Jones foi atendido rapidamente pela equipe médica do circuito e levado ao hospital. Com lesões na cabeça, o piloto acabou induzido ao coma, mas não resistiu. A causa clínica da morte ainda não foi divulgada. (agencia de notícia)

ESCÂNDALO ENVOLVE EX- PRESIDENTE DA INDIAN MOTORCYCLE


Segundo nota divulgada por uma agência de notícia, o ex-presidente da Indian Motorcycle Company, Rey Sotelo, foi preso no mês passado. O empresário foi acusado de contrabandear peças de motocicletas Harley-Davidson. A polícia o prendeu, junto com outros dez homens, com itens que seriam entregues a receptores suecos.
Sotelo pode pegar até cinco anos de prisão e receber uma multa de cerca de R$ 400.000 sob as acusações de extorsão, conspiração e tráfico. Ele pagou uma fiança para ser solto de R$155.000, e afirma que as autoridades americanas estão querendo chamar a atenção.

LAMA LEVA TÍTULO PARA SERGIPE


A 85 também teve um campeão antecipado. O piloto Rodrigo “Lama” mesmo chegando em terceiro levou o troféu de campeão brasileiro de Motocross. O piloto da Honda chegou a liderar a corrida, mas foi ultrapassado por Cézar Zamboni e Endrews Armstrong. Daí em diante, Rodrigo teve apenas que administrar para ser campeão. Em primeiro chegou Cézar Zamboni, seguido de Endrews Armstrong e de Rodrigo ”Lama”.

MARRONZINHO MAIS PRÓXIMO DO TÍTULO


A largada da MX1 foi cercada de muita expectativa. Quem se saiu bem foi Leandro Silva que logo na primeira curva, assumiu a primeira posição. Mas não demorou muito e o piloto da Honda acabou errando, entregando a posição para Marronzinho. Com a queda, Leandro acabou perdendo várias posições. Em segundo vinha Cristopher Castro, seguido de Roosevelt Assunção.
Aos 10 minutos de prova, Roosevelt fez uma bela ultrapassagem e conquistou a segunda posição. Daí pra frente, o líder da prova, João Paulino “Marronzinho”, teve uma prova tranqüila e levou a Pro Tork à vitória. Em segundo ficou Roosevelt Assunção, seguido de Cristopher Castro. Com a vitória, Marronzinho tem 20 pontos de vantagem sobre o segundo colocado, Leandro Silva.

ALEMÃO CONQUISTA TÍTULO DO BRASILEIRO POR ANTECIPAÇÃO


A cidade de Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo, sediou
neste final de semana a sétima etapa do Campeonato Brasileiro de Motocross 2008.
Sob um forte calor de 36 graus o que não faltou foi emoção.
Na categoria MX2, quem levou o melhor na prova foi Swian Zanoni, mas quem fez a festa mesmo foi Rodrigo Selhorst, o Alemão, que garantiu o título por antecipação.

MARIANA CHEGA EM SEXTO NO X-GAMES


Mariana Balbi, da Pro Tork Racing Team, disputou a final da 14ª edição do X-Games em Los Angeles - USA, fez uma ótima prova, muito disputada e completou o desafio na sexta colocação.
A brasileira seguirá na Califórnia para a seqüência da temporada do WMA.
Ela fez uma largada difícil e antes da primeira curva foi forçada a sair da pista e perdeu a chance de brigar pela ponta com Jessica Petterson, que liderou quase toda a prova e caiu perto do final.

domingo, 3 de agosto de 2008

MACEIÓ COMEMOROU PELA PRIMEIRA VEZ O MOTO CIDADANIA

- foto Danielle Silva
Moto Clubes de todo o estado se reuniu em Maceió e comemorou Dia do Motociclista, no evento denominado Moto Cidadania, realizado pela primeira vez em Alagoas e que contou com uma vasta programação para atrair amantes da motocicleta e a população em geral. (Alagoas 24 horas)

BRASILEIRO DE MOTOCROSS CHEGA A TER PÚBLICO DE 40 MIL PESSOAS EM ALGUMAS ETAPAS


O Campeonato Brasileiro de Motocross é a maior competição da modalidade na América Latina, e tem crescido a cada ano, chegando a reunir 428 pilotos em uma só etapa.
Recorde absoluto em esporte a motor em circuito fechado nos países da América Central e América do Sul.
O aumento no número de expectadores também é constante. As provas do Brasileiro de Motocross chegam a reunir mais de 40 mil pessoas em cidades como Carlos Barbosa, no Rio Grande do Sul, e Canelinha, em Santa Catarina.
Outra etapa já tradicional no calendário é a abertura do campeonato, em Indaiatuba, interior de São Paulo, no Centro Educacional de Trânsito da Hondae mais recentemente, ganhou mais um importante espaço de competições, o Centro de Treinamento da Pro Tork, em Siqueira Campos, no norte do Paraná.

UMA FUSÃO DE MOTOS STREETFIGTHERS E SUPERBIKES


Os modelos 2009 da Buell já estão disponíveis no exterior, mas quem roubou a cena este ano foi a novíssima 1125CR. A Café Racer é baseada na 1125R só que com um sabor a mais.
De acordo com a montadora, a motocicleta é metade superbike metade streetfigther e pode ser definida como a café racer do século 21. Com 148 cv de potência a 10 500 rpm, o propulsor é um Helicon V2 a 72º com 1125 cm³ com refrigeração líquida produzido em parceria com a BRP-Rotax.
A produção da motocicleta norte-americana começa em agosto e a máquina pesa a cerca de 170 kg.